Terapia na Web

Hipnose: O que é? É real? Como funciona?

Rodeada de mitos, misticismos e, principalmente, charlatões, a Hipnose ou Hipnoterapia desperta desconfiança e fascínio.

Frequentemente apresentada de maneira midiática em canais do YouTube, shows de teatro e programas de televisão, sem nenhuma explicação científica, uma sessão de hipnose pode mesmo parecer mágica. Alguns destes “hipnólogos de palco” apreciam o efeito que a desinformação causa no público.

Assim, rodeada de mitos, misticismos e charlatões, as técnicas de Hipnose ou Hipnoterapia acabam despertando a desconfiança dos mais céticos e um perigoso fascínio nos mais crédulos.

Independente da sua atual opinião sobre hipnose, meu objetivo é que, ao final deste artigo, você entenda o que realmente é a Hipnose, conforme observada e estudada cuidadosamente sob o rigoroso método científico. Sem magia, sem maquiagem, sem showmanship.

Está pronto(a)? Então olhe para um ponto fixo acima de você, conte até… brincadeira, vamos à leitura.

O que é Hipnose?

Em sua definição mais pura, hipnose é um estado psicológico natural em que o indivíduo reduz temporariamente seu senso crítico e percepção física da realidade, direcionando sua atenção à pensamentos ou sentimentos sem a interferência dos estímulos sensoriais.

Neste estado, também chamado de transe hipnótico, o indivíduo fica mais sugestionável, isto é, mais propenso a acreditar em afirmações, pontos de vista e até mesmo estímulos pseudo-sensoriais apresentados à ele, por exemplo, pelo hipnólogo.

Ao contrário da crença popular, não é possível hipnotizar um indivíduo que, conscientemente, não queira ser hipnotizado. O mesmo é válido para indivíduos completamente céticos em relação à hipnose, não dispostos a abrir mão temporariamente de sua percepção da realidade.

Essa impossibilidade acontece porque a prática da hipnose requer permissão e concentração por parte da pessoa a ser hipnotizada. Como isso ocorre antes do transe hipnótico, estas decisões precisam ser feitas em estado de consciência normal.

Deste modo, a Hipnose se diferencia do efeito placebo, pois antes de iniciar o processo, o hipnotizado tem total consciência de que todas as percepções e eventos experienciados durante a hipnose são imaginativos.

Talvez você esteja se perguntando: se é tudo fruto da imaginação, qual é a utilidade prática da hipnose? Bem, vamos a ela!

Para que serve a hipnose?

A hipnose aplicada é na psicoterapia é chamada de Hipnoterapia ou Hipnose Clínica,  e é uma ferramenta terapêutica normalmente associada à outras técnicas para potencializar os efeitos do tratamento psicológico.

Entre as aplicações mais comuns da hipnoterapia, estão os tratamentos diretamente associados à ansiedade, tais como:

  • Insônia;
  • Emagrecimento;
  • Estudos/provas/concursos;
  • Competições de esporte;
  • Síndrome do Pânico;
  • Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG);

O principal fator que torna a hipnose útil nestes tratamentos é a possibilidade de isolar, observar e compreender um determinado pensamento ou sentimento, sem interferências sensoriais físicas ou de outras linhas de raciocínio.

Esta clareza e este contato direto com o próprio inconsciente permitem abordar o problema de forma lógica e prática, sendo então possível modificar progressivamente a reação do seu cérebro a determinadas situações que desencadeiam o sentimento ou pensamento observado.

Além disso, no estado de transe hipnótico, podemos ter experiências sensoriais com nossos sentimentos, que podem se materializar em imagens, sons e sensações aparentemente físicas.

Isso nos permite interagir com nosso inconsciente de forma semelhante a como interagimos com o mundo físico, o que é muito mais fácil do que compreender e lidar com sentimentos e pensamentos abstratos.

A hipnoterapia quase sempre será aplicada em conjunto com abordagens mais tradicionais, como o diálogo entre paciente e terapeuta e o desenvolvimento da consciência emocional.

Conforme pontuado pelo renomado hipnólogo Milton Erickson, a hipnose “não é a cura, é uma forma de criar um clima favorável para aprender“. Deste modo, a eficiência da hipnoterapia está diretamente ligada com a consciência emocional do paciente.

Durante uma sessão de psicoterapia, antes de iniciar a hipnose, psicólogo e paciente devem ter em mente o objetivo daquele transe hipnótico. Este objetivo normalmente é encontrado e definido em diálogo, e irá direcionar a narração do hipnólogo e, consequentemente, a experiência do paciente.

Em alguns casos, o processo contrário pode ser utilizado: a hipnose é aplicada apenas para obter um estado de relaxamento para que, após a sessão, seja possível raciocinar com clareza ou até mesmo realizar tarefas complexas com menor grau de perturbação de outros pensamentos.

Que tal experimentar a hipnose agora?

Se você prestou bastante atenção no texto, deve ter percebido que a hipnose só é possível através do esforço conjunto entre hipnotizador e hipnotizado.

Então, se você quiser ter uma experiência relaxante com hipnose agora mesmo, gratuitamente,  acesse a nossa playlist de Hipnose no YouTube, coloque seus fones de ouvido e concentre-se. 🙂

Foto da equipe com o psicólogo Leonardo Garcia

Por Leo Garcia

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Clique para

Conheça nosso trabalho nas redes sociais.

Tem alguma sugestão de tema?

Por acaso procurou um post sobre algum tema e não encontrou, então entre em contato e nos diga qual foi! Vamos reunir a equipe para apresentá-lo o mais rápido possível.

Entrar em contato