Terapia na Web

Liberdade na Terapia – responsabilização

Como transformar a culpa em uma processo de responsabilização para então poder ter mais controle em nossas vidas

Este texto chegou até mim inesperadamente, e quando o li percebi quão bem amarrado as suas ideias eram, exprimindo sucintamente como seria um processo de terapia. Em suma, essa obra de autor desconhecido traz para o leitor a ideia de que ao nos responsabilizarmos por certos atos em nossas vidas, traremos a liberdade para conosco. Por mais doloroso que seja assumir que temos parcela de culpa em eventos trágicos (mas que pode ser suavizada com a prática de autocompaixão), isso nos permite tomar escolhas sobre o que fazer com o evento.

Pois, deixamos o prelúdio e passamos para o texto! Uma boa leitura a todos.

Liberdade

Quando você está verdadeiramente vivo, vive o sentimento do momento.

Se estiver desperto para a vida, experimenta a dor e o prazer exatamente como são. Mas se sente continuamente sobrecarregado, provavelmente não é porque a realidade não é tão intolerável, mas porque cada mágoa do presente traz alguma dúvida anterior à mente.

Sente-se desanimado em enfrentar as antigas fraquezas novamente e perplexo por não ter amadurecido realmente. Assim o preconceito contra si mesmo e a atitude de dúvida transformam um simples medo em pânico.

O presente sempre contém alguma expressão do passado. Embora isto sugira que ninguém é completamente livre, a maior verdade é que se está preso apenas às partes do passado pelas quais não se quer assumir responsabilidade.

Somente assumindo responsabilidade pelo que aconteceu, pode-se tornar pessoa livre. Não se deve assumir a culpa pelo destino, mas apenas pela reação ao mesmo. Talvez não se pudesse evitar a realidade, porém a maneira de lidar com ela foi opção própria.

No grande esquema de coisas, é improvável que uma única escolha pudesse ter sido tão importante. Embora as pessoas frequentemente revejam o passado, dizendo: “Se pelo menos eu fizesse isso” ou “Se aquilo acontecesse, as coisas teriam sido diferentes”, raramente, ou nunca isto é verdade. Algumas vezes se exagera a importância de um único ato, especialmente quando se tenta culpar outra pessoa ou uma determinada circunstância pelo fracasso. Quando superestima a importância de uma única escolha, sugere-se que não há lugar para erro e que toda ação traz consigo um resultado predestinado. Levada ao extremo, esta visão radical nega a possibilidade de perdão e amadurecimento, de tentar novamente e ter bom resultado. Ela inibe, deixando-se com medo de correr qualquer risco mesmo que se ache que vai ajudar.

Nenhuma escolha individual é importante por si mesma. Poder-se-ia ter direcionado a vida de uma centena de maneiras diferentes, mas em essência teria sido exatamente o mesmo. E, no entanto, para aprender as lições ainda precisa assumir a responsabilidade. Tudo se resume no seguinte: para crescer, tem-se que abrir mão das desculpas por falhar.

Por outro lado, a maneira de escolher é muito importante. Na verdade, pode-se atrair negativismo apenas pela atitude que tornar. O medo atrai o medo, a raiva cria um mundo raivoso e a culpa destrutiva cria a própria prisão.

Encaremos isso desta maneira: se admitirmos com sinceridade que fomos pelo menos em parte culpados pelo que deu errado, podemos controlar a vida muito melhor agora, neste instante. Existe tanta esperança em nossa vida quanto à culpa construtiva que pudermos aceitar.

Você se encontra no centro de seu mundo. A maneira de ver a si mesmo é a
única e difícil de transmitir a outros. Sua vida é em grande parte irrelevante para outras pessoas. Elas se preocupam mais consigo e suas necessidades distorcem a percepção que têm de você. Se você deixou-se agir porque não quis ofender os outros, apenas traiu a si mesmo.

O verdadeiro problema não é o que os outros lhe fizeram, mas como você reagiu a isso. É verdade que eles podem ser culpados por tê-lo magoado da primeira vez, mas a partir dai era sua responsabilidade assumir ou sair do caminho deles.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Clique para

Conheça nosso trabalho nas redes sociais.

Tem alguma sugestão de tema?

Por acaso procurou um post sobre algum tema e não encontrou, então entre em contato e nos diga qual foi! Vamos reunir a equipe para apresentá-lo o mais rápido possível.

Entrar em contato